Select language

Ultrassom transvaginal



Como é feito o ultrassom transvaginal?

Saiba mais sobre o ultrassom transvaginal - BedMedO ultrassom transvaginal (ou endovaginal) é um exame diagnóstico não invasivo utilizado para a avaliação dos órgãos reprodutivos femininos, incluindo o útero, os ovários e o colo uterino. Como o próprio nome já diz, é um exame realizado por via endovaginal e emite ondas sonoras ao invés de radiação para gerar imagens em movimento das estruturas pélvicas.
Por ser realizado pela via endovaginal, esse exame proporciona imagens das estruturas pélvicas com maior definição quando comparado ao exame realizado pela via abdominal.

A paciente permanece deitada em uma maca em posição ginecológica e um transdutor é introduzido dentro do canal vaginal. Esse transdutor estará encapado por preservativo contendo gel e emitirá ondas sonoras de alta frequência que irão refletir nas estruturas corpóreas, formando as imagens no monitor do aparelho de ultrassom.

Em alguns casos especiais, um método denominado infusão salina sonográfica (histerossonografia) poderá ser utilizado para melhor avaliação da cavidade endometrial. Por meio desse método, um pequeno cateter é introduzido na cavidade uterina e uma solução fisiológica é injetada para facilitar a visualização de leiomiomas uterinos ou de pólipos endometriais. Os principais passos do exame são:

  • Inserção de um espéculo esterilizado no canal vaginal;
  • Limpeza do colo do útero com uma solução anti-séptica;
  • Introdução de um cateter até o fundo do útero;
  • Injeção de uma solução fisiológica estéril;
  • Remoção do espéculo;
  • Inserção do transdutor ultrassonográfico dentro do canal vaginal.

Agende sua Consulta

O preparo para a realização do ultrassom transvaginal é simples

O preparo para realização do exame é simples. O ultrassom transvaginal geralmente é realizado com a bexiga vazia ou parcialmente repleta. A paciente não estará com nenhuma vestimenta, utilizando somente um avental. Não há contraindicações para ser realizado durante o período menstrual (caso a paciente esteja menstruando e utilizando um tampão vaginal, o médico deverá solicitar a retirada do tampão).

O exame não é doloroso, apesar de algumas mulheres sentirem desconforto da pressão causada pelo transdutor dentro do canal vaginal. Apenas uma pequena porção do transdutor é colocada dentro da vagina.

Indicações para o ultrassom transvaginal

A ultrassonografia transvaginal é utilizada como método diagnóstico das seguintes alterações:

  • Achados anormais no exame físico, tais como cistos ovarianos, leiomiomas uterinos, pólipos uterinos e outros tumores pélvicos;
  • Sangramento uterino anormal ou problemas menstruais;
  • Alguns tipos de infertilidade;
  • Gestação ectópica;
  • Dor pélvica crônica ou endometriose.

A ultrassonografia transvaginal também é utilizada no acompanhamento pré-natal. Habitualmente é realizada de forma precoce na gestação no intuito de datação e avaliação do número de embriões, a qual realiza o diagnóstico do tipo de gemelaridade e também pode ser utilizada para avaliar o tamanho do colo uterino (em pacientes com histórico de incompetência istmo-cervical ou síndrome do colo curto). Nos casos de sangramento por via vaginal no início da gestação, é um excelente exame para diagnosticar áreas de descolamento placentário.

Esse exame também é parte essencial no diagnóstico e acompanhamento do tratamento dos casais inférteis. Após a introdução das medicações para estímulo ovariano, a paciente deve realizar o controle do crescimento dos folículos ovarianos a cada dois dias ou até mesmo diariamente, a depender da avaliação individual de cada paciente e do risco de desenvolver a síndrome do hiperestímulo ovariano.

Riscos do ultrassom transvaginal

Não foi evidenciado nenhum risco ao ser humano. Ao contrário do raio-X, não há exposição à radiação com esse exame.

Antes do procedimento

  • Seu médico deverá explicar os passos para a realização do procedimento e dará oportunidade para você questioná-lo sobre possíveis dúvidas inerentes ao exame;Exames ginecológicos - Ultrassom transvaginal - Saiba mais sobre o procedimento
  • Avise seu médico caso você tenha sensibilidade ou alergia ao látex;
  • Geralmente não é necessária a utilização de sedação e/ou anestesia para a realização do ultrassom, a não ser que ele faça parte complementar de outro exame que necessite anestesia;
  • Utilize roupas confortáveis e fique atenta à higiene local após o procedimento (uma pequena quantidade de gel pode permanecer dentro do canal vaginal).

 Após o procedimento

  • Não é necessário realizar nenhum tipo de repouso físico, sendo possível retornar as atividades cotidianas logo após o término do exame;
  • O laudo médico pode ser emitido de forma imediata, ou em alguns casos, pode demorar cerca de poucos dias (a depender da central de digitação do laboratório);
  • Por meio da análise das fotos e do laudo descritivo, seu médico poderá firmar o diagnóstico e indicar o tipo de tratamento adequado.

Quer saber mais sobre o ultrassom transvaginal?

Separamos textos interessantes para sua leitura:

1-) A importância da ultrassonografia transvaginal – Jornal da Febrasgo

2-) Transvaginal Ultrasound – Cleveland Clinic

– A melhor forma ultrassonográfica para avaliar o potencial fértil da mulher em idade reprodutiva é por meio da contagem dos folículos antrais (folículos dispersos pelo tecido ovariano) – geralmente realizado no início do ciclo menstrual ou no período pré-ovulatório;

– A avaliação ultrassonográfica de cistos ovarianos deve ser feita de forma adequada, pois existem cistos ovarianos simples (que tendem a sumir em cerca de 3 meses) e cistos ovarianos complexos (que necessitam uma melhor avaliação por meio de exames complementares, tais como a ressonância nuclear magnética). Para isso, o ultrassonografista deve avaliar o fluxo sanguíneo ao redor do cisto, a presença de sombra acústica posterior (formação de sombra nas estruturas localizadas posteriormente ao cisto) e a presença de septos ou debris dentro do cisto;

– O volume uterino normal de uma paciente nuligesta (que nunca engravidou) é de 30 a 90 cm³;

– O volume ovariano normal de uma paciente que encontra-se no período de vida reprodutivo é de 3 a 9 cm³;

– A ultrassonografia transvaginal consegue avaliar o colo uterino, porém não pode substituir a realização do exame de Papanicolaou. Eles são exames distintos e com objetivos diferentes. A ultrassonografia transvaginal não consegue evidenciar a presença ou não de lesões do colo uterino induzidas pelo HPV.