Select language

Tratamento do cisto de ovário



O cisto de ovário é causado por alterações que ocorrem no interior dos ovários, promovendo a formação de bolsas de líquido, que se formam a partir de células que compõem ou não os ovários, podendo ser diagnosticado tanto na parte interna, como na parte externa do órgão, dependendo do tipo de cisto ovariano em questão.

Tipos de cistos ovarianos

Os tipos mais comuns de cistos ovarianos são:

Cistos funcionais: são cistos de características benignas que não geram complicações para as pacientes. Podem ser originados a partir dos folículos que não expeliram o óvulo (cistos foliculares), quanto formados após o folículo liberar o óvulo (cistos de corpo lúteo). Eles costumam desaparecer após 2 a 3 meses;

Cistos dermóides: mais comuns em pacientes jovens. São formados a partir de células que dão origem a diversos outros tipos de tecidos (pele, cabelo, dentes, entre outros). Podem causar quadros de dor abdominal e devem ser retirados cirurgicamente;

Cistoadenomas: são cistos que se desenvolvem a partir do tecido que reveste o ovário. Podem atingir grandes dimensões, devem ser retirados cirurgicamente e não são considerados malignos;

Endometriomas: diagnosticados em pacientes acometidas pela endometriose. Esse tipo de cisto se diferencia dos demais devido ao líquido contido em seu interior ser composto por tecido endometrial, de coloração escurecida. Eles podem causar dor pélvica crônica e infertilidade.

Sintomas dos cistos ovarianos

Na maioria das vezes, os cistos ovarianos são assintomáticos, sendo diagnosticados apenas por meio de exames de rotina, mais especificamente durante a realização da ultrassonografia transvaginal. Contudo, existem sintomas que podem indicar a presença de cistos nos ovários, tais como:

  • Inchaço abdominal;
  • Sensação de pressão na região abdominal;Agende sua consulta
  • Ciclos menstruais irregulares;
  • Dores durante as relações sexuais;
  • Dores pélvicas antes e durante o período menstrual;
  • Dores nas costas ou pernas;
  • Dores ao evacuar;
  • Dores pélvicas súbitas acompanhadas de episódios de náuseas ou vômitos.

Esses incômodos também podem ser provocados por outros motivos, além de presença do cisto no ovário por si só, tais como:

  • Aumento do volume do cisto;
  • Rompimento do cisto: situação que gera a eliminação de conteúdo líquido no interior da cavidade abdominal – provoca quadro de dor abdominal intensa;
  • Torções do próprio cisto ou das tubas uterinas: casos nos quais o quadro de dor é súbito e de forte intensidade, semelhante ao quadro de dor causada por apendicite, por exemplo.

Vale lembrar que, a partir do diagnóstico do cisto ovariano, apenas o especialista poderá indicar o melhor tipo de tratamento para cada caso.

tratamento cisto de ovário

Possíveis tratamentos para os cistos ovarianos

A maioria dos cistos ovarianos costuma desaparecer espontaneamente, mas quando isso não ocorre, bem como quando é acompanhado de algum sintoma específico ou quando existe a suspeita de malignidade, a retirada do cisto deve ser realizada de forma cirúrgica.

Somente a partir da queixa da paciente, da análise dos exames laboratoriais solicitados e da realização do exame físico geral e ginecológico, o ginecologista deverá definir qual é a melhor opção de tratamento para cada caso. As opções costumam ser:

Laparoscopia: Por meio de pequenos cortes na região umbilical e na região abdominal, o especialista consegue realizar a avaliação completa da cavidade pélvica da paciente e remover os cistos cirurgicamente. A recuperação é mais rápida e gera menos dor do que outros tipos de cirurgia. Conhecida como o método cirúrgico mais utilizado para retirada de cistos, a laparoscopia é indicada nos casos de pacientes que desejam preservar a fertilidade, visto que o procedimento permite retirar uma menor quantidade de tecido ovariano sadio (procedimento chamado de ooforoplastia).

Laparotomia: Trata-se de um método cirúrgico reservado para pacientes que apresentam quadros de urgência cirúrgica. É indicado principalmente nos casos de torção ovariana ou ruptura hemorrágica do cisto, bem como para os casos de cistos ovarianos sólidos de grandes dimensões, que não conseguem ser tratados por via laparoscópica.

Uso de métodos contraceptivos: O uso de anticoncepcionais ajuda a inibir a formação de cistos ovarianos que surgem após a liberação do óvulo, como os cistos foliculares ou os cistos de corpo lúteo. Contudo, apenas o ginecologista pode orientar o tratamento com uso de contraceptivos, visto que o uso de hormônios apresenta diversas contraindicações. Essa forma de tratamento é orientada apenas para mulheres que não têm o desejo de engravidar em um período próximo.

É fundamental que, ao notar qualquer alteração no ciclo menstrual, incômodos durante as relações sexuais, dor ao urinar ou qualquer outro tipo de sintoma relatado previamente, a mulher busque sempre a orientação de um especialista. Além disso, é essencial manter a regularidade nas consultas ginecológicas e na realização dos exames de rotina.

Um diagnóstico precoce ajuda na eficácia do tratamento e na breve recuperação da paciente.

Quer saber mais sobre o tratamento do cisto do ovário?

Separamos textos interessantes para sua leitura:

 

Os cistos de ovário são caracterizados como alterações que ocorrem no interior dos ovários, promovendo a formação de bolsas de líquido formadas a partir de células que compõem ou não os ovários, podendo ser diagnosticados tanto na parte interna, como na parte externa do órgão, dependendo do tipo específico de cisto ovariano. Os subtipos mais […]

 

Cisto é um termo utilizado para designar uma lesão arredondada que apresenta conteúdo líquido em seu interior, como se fosse uma espécie de bolha envolta por uma fina membrana. Ele pode surgir em diversas partes do corpo, sendo que, quando ocorre no ovário, é chamado de cisto ovariano. Apesar de ser considerado uma das alterações […]

 

Os cistos ovarianos constituem o grupo mais comum de alterações detectadas em exames ultrassonográficos de rotina entre mulheres com faixa etária na idade reprodutiva, ou seja, desde o início do período menstrual (menarca) até a menopausa. Existem diversos tipos de cistos ovarianos, tanto de origem benigna como maligna e, por isso, é fundamental avaliar todas […]

 

Mioma, cisto e pólipo são alterações geralmente benignas que apresentam maior incidência em mulheres durante a idade reprodutiva (período em que ocorre uma grande produção hormonal ovariana). Por serem extremamente comuns e corriqueiras no cotidiano de muitas mulheres, optamos por redigir esse texto para orientá-las a respeito da diferença entre cada uma dessas alterações. Vale […]

 

O ultrassom transvaginal é um dos exames mais comumente solicitados por médicos ginecologistas e obstetras e permite uma análise minuciosa dos órgãos internos do sistema reprodutor feminino, tais como o útero e os ovários. Também chamado de ultrassom endovaginal, o exame é considerado como sendo não invasivo, visto que emite ondas sonoras (e não radiação) […]

 

Após a menarca (primeira menstruação), a maioria das mulheres opta por iniciar seu acompanhamento com um médico ginecologista para obter informações mais detalhadas sobre quais são as melhores condutas para a saúde íntima feminina. Na maior parte dos casos, elas passam a se consultar regularmente com o mesmo especialista até a vida adulta. Contudo, ao […]

 

Antes de um casal tentar engravidar, é importante que tanto a mulher quanto o homem passem por uma série de exames chamados pré-concepcionais. Essas avaliações serão as responsáveis por detectar se existem problemas de saúde que possam atrapalhar os planos de gerar um filho. Sete problemas de saúde mais comuns que atrapalham a gravidez   […]

Cistos Ovarianos – Dr. Bruno Bedoschi

O cisto de ovário é causado por alterações que ocorrem no interior dos ovários, promovendo a formação de bolsas de líquido. Entenda mais sobre essa condição ginecológica no vídeo dica elaborado pelo Dr. Bruno Bedoschi, médico ginecologista e obstetra da clínica BedMed.

Veja mais em nosso canal do YouTube