Select language

Inseminação Intra-Uterina



Qureprodução humana ando existe indicação para Inseminação Intra-uterina?

Existem diversos motivos que resultam em dificuldades para um casal obter a gravidez. A inseminação intra-uterina pode ser útil para alguns desses motivos:

Infertilidade feminina: Mulheres que não ovulam regularmente podem se beneficiar do uso de medicamentos indutores da ovulação para regularizar o ciclo ovulatório. Essas mulheres podem se beneficiar ainda mais com a inseminação intra-uterina pois podem ter um melhor controle da exposição aos espermatozoides no período ovulatório. Além disso, a inseminação intra-uterina pode beneficiar as mulheres que apresentam alterações do colo uterino, tais como cicatrizes ou estenoses (estreitamentos) devido a procedimentos cirúrgicos (conização ou cauterizações) ou infecções.

A indução da ovulação pode ser feita com medicamentos orais ou injetáveis (sub-cutâneo), que estimulam o crescimento dos folículos ovarianos durante a primeira fase do ciclo menstrual (fase pré-ovulatória). As mulheres podem apresentar uma maior chance de gravidez pois mais de um folículo pode ser estimulado e mais de um óvulo ser liberado no mesmo ciclo menstrual.

Infertilidade masculina: A indicação mais clássica da inseminação intra-uterina ocorre para homens que apresentam alterações leves no espermograma, tais como diminuição na contagem ou na motilidade dos espermatozoides. Além disso, a inseminação intra-uterina pode ser utilizada para homens que apresentam dificuldades com ereção ou ejaculação durante o ato sexual. Um exemplo disso são os homens que apresentam ejaculação retrógrada, ou seja, a ejaculação direciona os espermatozoides para a bexiga durante o orgasmo, ao invés da ejaculação pelo pênis. Algumas condições podem estar associadas à ejaculação retrograda. Os espermatozoides ejaculados para a bexiga podem ser extraídos através da urina e utilizados para inseminação intra-uterina ou fertilização in vitro.

Preservação da Fertilidade: Homens podem congelar os espermatozoides para uso futuro antes da realização de vasectomia, cirurgia testicular, quimioterapia e/ou radioterapia para tratamento oncológico. Os espermatozoides podem ser descongelados e utilizados para gerar gravidez no futuro através da inseminação intra-uterina.

Banco de sêmen de doador: A inseminação intra-uterina com sêmen de doador é realizada em diversas situações. Uma das principais indicações para inseminação intra-uterina com sêmen de doador ocorre quando o homem apresenta alterações importantes no espermograma que não viabilizam uma gravidez espontânea e tratamentos como fertilização in vitro não sejam possíveis ou não sejam de interesse do casal. A inseminação intra-uterina com sêmen de doador também pode ser realizada em casos de homens com doenças genéticas que não desejem transmitir a mutação para seus filhos. Vale lembrar que tratamentos de fertilização in vitro com biópsia embrionária para avaliação genética do embrião também são possíveis. Mulheres solteiras ou mulheres homoafetivas também podem utilizar o tratamento com sêmen de doador para conseguir a gravidez.

Como ocorre a coleta do sêmen para inseminação intra-uterina?

O sêmen necessário para para a IIU pode ser coletado de diferente maneiras. A maneira mais comum é a masturação em um copo específico que é entregue no consultório médico. O sêmen pode também ser coletado durante a relação sexual, utilizando um preservativo especial para essa finalidade. Se o homem tem ejaculação retrógrada, os espermatozoides podem ser coletados em um laboratório através da amostra da urina.

Agende sua consulta

Homens que apresentam dificuldade para ter ereção ou ejaculação a despeito do uso de medicamentos, assim como homens que apresentam lesão medular, podem apresentar ejaculação com a ajuda de aparelhos específicos, tais como o vibrador ou a eletro-ejaculação. O vibrador comumente é utilizado no consultório médico ou no laboratório através de um dispositivo portátil. A eletro-ejaculação utiliza o estimulo elétrico para promover a ejaculação. Homens com lesão medular completa podem realizar o procedimento no próprio consultório ou laboratório, enquanto homens com lesão medular incompleta precisam realizar o procedimento com anestesia no centro cirúrgico.

Como a Inseminação Intra-Uterina é feita?

Uma vez que o sêmen é coletado, a amostra é processada no laboratório, para concentrar os espermatozóides e remover o fluído seminal. Esse procedimento pode demorar até duas horas para ser realizado.

A inseminação intra-uterina é realizada em um momento próximo da ovulação. O procedimento é relativamente simples e leva apenas alguns minutos. A mulher deita numa maca ginecológica e o médico realiza um exame ginecológico com o uso do espéculo para avaliar o colo uterino. Um catéter é inserido através do colo uterino até atingir a cavidade uterina e o sêmen processado é injetado lentamente. Geralmente esse procedimento é indolor, mas algumas mulheres podem apresentar cólicas leves.

Quais são as chances de sucesso com a Inseminação Intra-Uterina?

O sucesso da inseminação intra-uterina depende da causa de infertilidade do casal. As chances de sucesso são maiores quando o tratamento é indicado para homens com alterações leves no espermograma ou para mulheres com quadros de anovulação ou alterações do colo uterino. O tratamento é pouco efetivo para homens com alterações graves no espermograma. Além disso, a inseminação intra-uterina também não favorece mulheres com alterações tubárias, com quadros de endometriose moderados ou graves, ou com histórico de infecção pélvica. Outros tratamentos para gravidez são mais efetivos nesses casos.

Geralmente, as taxas de sucesso da inseminação intra-uterina podem atingir 30-40% por cada mês de tentativa. As taxas de sucesso dependem principalmente dos fatores de infertilidade presentes, da idade da mulher e do tipo de medicamento que foi utilizado para estímulo ovariano.

Quais são os possíveis riscos do tratamento da inseminação intra-uterina?

Todas as mulheres que realizam estímulo ovariano com medicamentos indutores da ovulação estão expostas ao risco de gravidez múltipla. Por esse motivo, a monitorização ultrassonográfica deve ser sempre realizada, a fim de minimizar esse risco. Os riscos de infecção após o procedimento de inseminação intra-uterina são baixos. Os riscos de malformações fetais são os mesmos quando comparados aos de uma gravidez espontânea.

Converse com o seu médico para avaliar se a Inseminação Intra-Uterina pode ser utilizada para você.

Para uma mulher engravidar, os espermatozoides do homem devem “nadar” desde a vagina, passando pelo colo do útero, cavidade uterina até atingir a região das tubas uterinas. Se os espermatozoides atingirem as tubas em um momento próximo da ovulação, os espermatozoides podem encontrar o óvulo na tuba, geralmente no mesmo lado que ocorreu a ovulação, e a fertilização do óvulo pode ocorrer. Para saber o melhor método para realizar o sonho de ser mãe você deve procurar um médico especialista em reprodução humana.

Naturalmente, o colo uterino limita o número de espermatozóides que entram no útero. Consequentemente, somente alguns espermatozóides podem atingir a região das tubas uterinas. A inseminação intra-uterina é um procedimento que visa inserir os espermatozóides diretamente dentro da cavidade uterina, sem precisar fazê-los passar pelo colo uterino. Ao inserir os espermatozóides diretamente na cavidade uterina, a distância até a região das tubas fica muito mais curto. Dessa maneira, existe uma melhor chance dos espermatozóides atingirem o óvulo. Esse procedimento é realizado para aumentar a chance de uma mulher tornar-se grávida.

 

Fonte: www.youtube.com

Quer saber mais sobre Inseminação Intra-Uterina? Separamos textos interessantes para sua leitura:

1) Descanso após inseminação aumenta chance de gravidez – Clique aqui e leia mais

Fonte: Blog Boa Saúde