Select language

Gravidez Ectópica



implantação do embrião fora do útero

Definição da gravidez ectópica

A gestação inicia após a fertilização do óvulo. Normalmente, o óvulo fertilizado migra até o útero, onde ocorre a sua implantação. Nos casos de gestação ectópica, o óvulo fertilizado implanta-se em outro local fora do útero.

Geralmente a gestação ectópica ocorre na tuba uterina que carrega o óvulo liberado pelo ovário ipsilateral até o útero (98% dos casos). A gestação ectópica que acomete a tuba uterina é conhecida como gestação tubárea. Em alguns casos, a gestação ectópica ocorre na cavidade abdominal, nos ovários ou no canal cervical (2% dos casos).

A gestação ectópica não pode evoluir normalmente. O óvulo fertilizado não consegue sobreviver e o tecido em crescimento pode destruir diversas estruturas do organismo materno. Caso não seja tratada, a gestação ectópica pode gerar quadros de sangramento severo e até mesmo óbito materno. O tratamento precoce pode auxiliar na obtenção de uma futura gestação saudável.

A gravidez ectópica é uma importante causa de morbimortalidade materna no primeiro trimestre da gestação, sendo que nos países em desenvolvimento a sua mortalidade ainda é elevada.

Atualmente, as dosagens hormonais seriadas e o ultrassom transvaginal facilitam o diagnóstico e o tratamento da gestação ectópica, antes que ocorra a ruptura tubárea. Apresentam alta especificidade e sensibilidade, resultando em diagnósticos mais precoces e permitindo opções de tratamentos mais conservadores.

Sintomas de uma gravidez ectópica

A princípio a gestação ectópica pode ser assintomática, ou seja, não apresentar nenhum sinal ou sintoma evidente. Em outros casos, os sinais e sintomas podem se assemelhar com os da gestação tópica, tais como, dor mamária, náuseas, vômitos e atraso menstrual. Caso seja realizado um teste de gravidez, o resultado será positivo, porém, vale lembrar que a gestação ectópica não deverá ser levada adiante.

Dor abdominal ou pélvica associada a pequeno sangramento por via vaginal são os primeiros sinais de alerta para a gestação ectópica. Caso o sangramento seja transmitido pela tuba uterina, também é possível sentir dor no ombro ou irritação intestinal – depende da localização do sangramento e dos nervos que podem ser irritados pelo sangue disseminado na cavidade abdominal. O sangramento vaginal exacerbado é incomum, a não ser nos casos em que a gestação ectópica acontece na cérvice uterina.

Caso ocorra rotura das tubas uterinas, é comum acontecer sangramento abdominal intenso, seguido de alteração visual, desmaios e choque.

Quando procurar auxílio médico

Agende sua Consulta

Procure auxílio médico caso você apresente algum sinal ou sintoma que pode sugerir gestação ectópica, tal como:

  • dor abdominal ou pélvica intensa, seguida de sangramento vaginal;
  • Alteração visual intensa ou desmaios.

Causas da gravidez ectópica 

A gestação tubárea – a mais comum dentre as gestações ectópicas – acontece quando o óvulo fertilizado não consegue atingir a cavidade uterina, geralmente por alterações tubáreas inflamatórias, danos tubáreos prévios ou alterações anatômicas das tubas uterinas. Alterações dos níveis hormonais ou desenvolvimento fetal anormal também podem colaborar para o surgimento dessa alteração. Em alguns casos, a causa da gestação ectópica permanece desconhecida.

Fatores de risco da gravidez ectópica

A incidência de gestação ectópica gira em torno de 20 a cada 1.000 gestações. Diversos fatores estão correlacionados com o surgimento da gestação ectópica, incluindo:

  • Gestação ectópica prévia;
  • Cirurgias tubáreas prévias (incluindo laqueadura tubárea);
  • Técnicas de reprodução assistida;
  • Tabagismo;
  • Processos inflamatórios ou infecciosos prévios: a inflamação nas tubas uterinas (salpingite) ou a infecção do útero, das tubas uterinas ou dos ovários (doença inflamatória pélvica) aumentam o risco de gestação ectópica. Geralmente, essas infecções são ocasionadas por Gonorréia ou Clamídia;
  • Dificuldade para engravidar: alguns pesquisadores sugerem que existe uma associação entre a dificuldade para engravidar e a gestação ectópica;
  • Alterações estruturais das tubas uterinas: a gestação ectópica é mais comum entre pacientes que apresentam alterações anatômicas das tubas uterinas ou nos casos em que as tubas uterinas foram manipuladas e danificadas durante algum procedimento cirúrgico. Até mesmo as cirurgias de reconstrução tubárea (nos casos de laqueadura tubárea prévia) aumentam o risco de gestação ectópica no futuro;
  • Métodos contraceptivos: o uso de DIU e a reconstrução das tubas uterinas após a realização de laqueadura tubárea aumentam o risco de gestação ectópica.

 Complicações da gravidez ectópica

Quando você apresenta gestação ectópica, os riscos e complicações são elevados. Caso não seja realizado o tratamento adequado e de forma precoce, pode ocorrer ruptura das tubas uterinas com consequente hemorragia intra-abdominal severa (choque hemorrágico), que pode evoluir para óbito.

Diagnóstico para gravidez ectópica

Caso o seu médico suspeite de uma gestação ectópica, ele deverá realizar um exame pélvico para avaliar o quadro de dor e a presença de alguma massa na região pélvica. Geralmente o exame físico isolado não é suficiente para firmar o diagnóstico de gestação ectópica. O diagnóstico é realizado por meio de exames de sangue (dosagem de BHCG quantitativo) e exames de imagem, tais como a ultrassonografia transvaginal.

Em alguns casos, o diagnóstico de gestação ectópica é dificilmente realizado de forma precoce. Nesses casos, exames sanguíneos deverão ser feitos e o controle ultrassonográfico evolutivo também. Usualmente o diagnóstico de gestação ectópica é feito após 4 a 5 semanas de gestação.

Em situações de emergência – caso você apresente sangramento vaginal intenso ou sangramento abdominal severo, por exemplo – a gestação ectópica pode ser diagnosticada e tratada de forma cirúrgica.

Tratamento para a gravidez ectópica

O óvulo fertilizado normalmente não consegue se desenvolver fora do útero. Para prevenir complicações, o tecido da gestação ectópica deverá ser removido.Coleção Gestante

Caso a gestação ectópica seja diagnosticada precocemente, o uso de metotrexato injetável poderá evitar o crescimento das células e destruir as células já existentes do tecido ectópico. Após a aplicação da medicação, seu médico monitorizará a dosagem da gonadotrofina coriônica humana (BHCG) de forma quantitativa. Caso a dosagem do BHCG permaneça elevada, você possivelmente deverá realizar uma nova aplicação de metotrexato. Essa medicação é um antagonista do ácido fólico altamente tóxico a tecidos em rápida replicação. Deve ser utilizada em casos específicos (geralmente gestações ectópicas íntegras com diâmetros pequenos):

  • Estabilidade hemodinâmica, ausência de hemoperitônio;
  • Diagnóstico não laparoscópico;
  • Desejo de permanecer fértil;
  • Alto risco para realização de anestesia geral;
  • Massa anexial íntegra < 3,5 cm;
  • Ausência de atividade cardíaca fetal;
  • Níveis de BHCG < 5.000 UI/L;
  • Ausência de contraindicações ao uso de metotrexato: gravidez intrauterina, imunodeficiência, anemia grave, doença pulmonar em atividade, úlcera péptica em atividade, disfunção hepática ou disfunção renal.

Em outros casos, a gestação ectópica poderá ser tratada com a cirurgia laparoscópica. Nesse procedimento uma pequena incisão é feita na região abdominal, próximo à região umbilical. O médico introduz um pequeno instrumento contendo uma câmera e luz (laparoscópio) para visualizar a cavidade abdominal. Outros instrumentos podem ser inseridos na cavidade abdominal por meio desse pequeno instrumento ou por meio de outras pequenas incisões que podem ser realizadas nas regiões inguinais. O tecido ectópico é removido por meio de salpingectomia (retirada completa da tuba uterina) ou salpingostomia (retirada do tecido ectópico, mantendo a tuba uterina).

Caso a gestação ectópica apresente sangramento abdominal aumentado ou ruptura da tuba uterina (levando a quadros de instabilidade hemodinâmica), você deverá ser submetida a uma cirurgia de emergência por meio de incisão laparotômica. Nesses casos, raramente a tuba uterina é mantida (opta-se nesses casos pela realização de salpingectomia).

Prevenção da gravidez ectópica 

Você não pode prevenir o surgimento da gestação ectópica, porém pode diminuir alguns fatores de risco para o surgimento dela. Por exemplo, diminua o número de parceiros sexuais e utilize preservativo na relação sexual para diminuir a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis.

Caso você tenha histórico de gestação ectópica, procure um médico antes de obter uma nova gestação. O pré-natal deverá ser realizado com intervalos mais curtos entre as consultas para realizar o diagnóstico da gestação intra ou extrauterina da forma mais precoce possível.

Coleção Gestante

Quer saber mais sobre a gestação ectópica? Separamos textos interessantes para sua leitura:

1) Tratamento clínico da gestação ectópica com metotrexato – Clique aqui e leia mais

Fonte: web-site FEBRASGO

2) O que saber sobre gravidez ectópica – Clique aqui e leia mais

Fonte: web-site ÍNDICE DE SAÚDE

Preparando-se para a consulta:

Procure auxílio médico caso você apresente sinais ou sintomas sugestivos de gestação ectópica, incluindo:

  • dor abdominal ou pélvica de forma severa seguida de sangramento vaginal;

 

  • alteração visual intensa ou desmaios.

 

Caso você apresente possíveis sinais ou sintomas correlacionados com a gestação ectópica – tais como sangramento vaginal discreto ou dor abdominal – entre em contato com seu médico. Provavelmente ele solicitará uma consulta médica ou até mesmo um atendimento em serviço de urgência/emergência. Aqui vão algumas dicas para te auxiliar durante a sua consulta médica.

O que você pode fazer:

Solicite a presença de algum amigo ou parente na consulta médica para auxiliá-la a recordar as informações mais importantes. Aqui vão alguns questionamentos básicos a serem feitos para seu médico:

  • Quais exames deverão ser realizados para o diagnóstico?

 

  • Onde está localizada a minha gestação?

 

  • Quais são as opções de tratamento?

 

  • Quais são as minhas chances de obter uma gestação saudável no futuro?

 

  • Quanto tempo devo aguardar para tentar engravidar novamente?

 

  • Preciso de algum acompanhamento especial ou alguma recomendação especial na minha próxima gestação?

 

O que devo esperar do meu médico:

O seu médico deverá realizar uma série de questionamentos. Por exemplo:

  • Quando foi a data da sua última menstruação?

 

  • Você percebeu alguma alteração no seu último ciclo menstrual?

 

  • Existe a possibilidade de você estar grávida?

 

  • Você realizou o teste de gravidez?

 

  • Você está sentindo dor? Está apresentando sangramento vaginal?

 

  • Você está apresentando desmaios?

 

  • Você já esteve grávida antes? Como foi a sua última gestação?

 

  • Você já teve algum diagnóstico de doença sexualmente transmissível?

 

  • Você realizou tratamento de fertilização in vitro?

 

  • Você já fez uso de métodos anticoncepcionais? Quais?

 

  • Você deseja engravidar no futuro?

 

  • Você está utilizando alguma medicação atualmente?