Select language



infeccao-urinaria-de-repeticao

Um assunto bastante corriqueiro nos consultórios e clínicas ginecológicas é a infecção urinária recorrente, também chamada de cistite de repetição.

Esse é um problema que acomete diversas mulheres, entretanto, apesar de gerar um grande impacto na qualidade de vida das pacientes, ele pode ter solução.

Nós, da clínica BedMed, decidimos abordar esse tema em nosso Blog para que você entenda um pouco melhor sobre como funciona essa infecção, bem como as suas principais causas e a maneira de tratá-la.

Ao longo da vida, cerca de 50% a 60% das mulheres irão apresentar pelo menos um episódio de infecção do trato urinário (ITU).

A cistite de repetição é um termo utilizado para caracterizar uma paciente que apresenta diversos quadros de infecção urinária em um curto período de tempo.

De acordo com dados estatísticos, cerca de 25% das mulheres que já apresentaram infecção urinária irão desenvolver essa patologia, independente da sua faixa etária.

Classicamente, a infecção urinária de repetição acontece quando a paciente apresenta mais de 2 episódios de infecção urinária com sintomas ao longo de 6 meses ou mais de 3 episódios de infecção urinária com sintomas ao longo de um ano.

Uma parcela significativa das pacientes não chega a saber que teve uma infecção, pois nem sempre a cistite gera grande desconforto e, algumas vezes, o processo tende a ser autolimitado, ou seja, cura de forma espontânea e natural ao longo das semanas.

Mas, na maioria das vezes, a infecção possui alguns sintomas típicos que auxiliam a mulher a identificá-la. São eles:

  • Ardência ou dor ao urinar;
  • Necessidade de ir ao banheiro com mais frequência;
  • Sensação de esvaziamento incompleto (sente que a bexiga não esvaziou);
  • Dores na parte inferior do abdome;
  • Mal-estar, náuseas ou vômitos;
  • Febre baixa constante.

De acordo com os ginecologistas da clínica BedMed, esses sintomas não devem ser ignorados, pois, caso a infecção não seja tratada precocemente, a cistite pode evoluir para quadros mais graves, afetando os órgãos adjacentes à bexiga e que compõem o sistema urinário.

ginecologia-exame-de-urina

O que pode causar a cistite de repetição?

Médicos especialistas em ginecologia explicam que algumas mulheres costumam ser mais susceptíveis às infecções urinárias devido a alterações anatômicas, como por exemplo: encurtamento da uretra ou alteração no ângulo entre a uretra e a bexiga, facilitando a subida de bactérias do canal vaginal até o sistema urinário.

Além disso, existem outros fatores de risco que podem promover o quadro de cistite de repetição:

– Múltiplos parceiros sexuais;

– Uso de diafragma e espermicida durante a relação sexual;

– Uso recente de antibiótico;

– Sistema imunológico debilitado.

Um ponto extremamente importante é que a urina é uma forma de “lavagem” da bexiga, ou seja, é um importante mecanismo de defesa, sendo que quanto maior o período em que a mulher passa sem ir ao banheiro, mais bactérias se acumulam ali, facilitando a infecção urinária de repetição.

Portanto, ao ser diagnosticada com cistite, a paciente deve seguir as recomendações do especialista a fim de evitar o retorno da infecção. Algumas delas são:

  • Manter a ingestão frequente de líquidos;
  • Evitar ficar mais de 3 horas sem urinar;
  • Usar sempre preservativos nas relações sexuais e
  • Manter os exames ginecológicos atualizados, realizando-os anualmente ou de acordo com a orientação do ginecologista.

Além disso, existem pessoas que possuem predisposição a infecções urinárias devido a alterações no fluxo urinário, malformações nos ureteres ou problemas hormonais, como por exemplo: diabetes, baixo nível de estrogênio e menopausa.

Como tratar a cistite de repetição?

Ao diagnosticar a presença de infecções urinárias recorrentes em pacientes previamente hígidas, os ginecologistas costumam tentar identificar primeiramente qual é o tipo de bactéria que está causando essas infecções.

Após essa identificação, o tratamento deve ser feito com antibiótico baseado na sensibilidade da bactéria ao mesmo (sempre deve ser solicitado o exame de urocultura com antibiograma para poder identificar qual antibiótico é eficaz para tratar a bactéria causadora da infecção).

Caso o tratamento tenha sido feito de forma adequada e a paciente continua a apresentar novos episódios de infecção urinária, o médico deverá introduzir antibiótico de forma profilática para prevenir novos quadros.

Lembre-se: apenas um especialista poderá indicar o tratamento ideal para a sua infecção. A automedicação pode induzir a resistência do agente causador da infecção urinária e, por isso, nunca utilize nenhum tipo de medicamento sem o consentimento do seu médico.

Agendar




Deixe um comentário