Select language



miomas uterinos

Os miomas uterinos, também chamados de leiomiomas, fibromas ou fibroides uterinos, são tumores benignos que se desenvolvem a partir da proliferação acentuada das células musculares lisas uterinas (chamadas de miométrio) e podem gerar distorções ou aumento desse órgão.

De acordo com especialistas em ginecologia, os miomas uterinos representam cerca de 95% dos tumores do trato genital feminino, sendo que sua frequência varia de acordo com a idade, raça e paridade.

Os miomas podem se apresentar de diversas formas: podem ser únicos ou múltiplos, com diversos tamanhos e acometer uma das três camadas do útero (submucoso, intramural ou subseroso).

A etiologia do mioma uterino permanece desconhecida, porém existem alguns fatores de risco que favorecem o seu desenvolvimento.

Um grande exemplo disso é a influência hormonal sobre o crescimento desses tumores. Sabe-se que alterações nas taxas de progesterona e de estrogênio podem influenciar no desenvolvimento e crescimento das fibras musculares uterinas.

Tanto é que, durante a menopausa, fase em que ocorre a parada da produção dos hormônios femininos, há uma redução significativa dos leiomiomas uterinos.

Quais são os principais fatores de risco para os miomas uterinos?

Apesar de sua causa ainda não ter sido descoberta, os ginecologistas acreditam que os fatores genéticos, além das alterações hormonais, também possam ser responsáveis pelo surgimento dos miomas uterinos.

Alguns dos fatores que podem aumentar o risco do desenvolvimento dos miomas estão descritos a seguir:

  • Histórico familiar: o histórico familiar é um fator que demonstra grande importância e impacto no surgimento dos miomas uterinos. Pacientes cujas mães, irmãs ou demais familiares já tenham sido acometidas por miomas uterinos, têm maiores chances de desenvolverem esses tumores benignos;
  • Raça: o surgimento dos miomas é duas a três vezes mais comum nas mulheres de raça negra do que nas mulheres de raça branca. Além disso, as mulheres de raça negra tendem a apresentar uma idade mais jovem no momento do diagnóstico do mioma (seu surgimento é mais precoce) e eles tendem a crescer de uma forma mais significativa;
  • Hipertensão e obesidade: pacientes hipertensas e/ou obesas também podem apresentar maiores chances de serem diagnosticadas com miomas uterinos;
  • Idade: os miomas são mais comumente diagnosticados em mulheres entre a quarta e quinta décadas de vida. Raramente são encontrados em pacientes pré-púberes ou na menopausa (fase em que não há produção efetiva dos hormônios femininos).

Portanto, caso uma paciente apresente algum desses fatores descritos previamente, é fundamental que ela fique atenta com relação ao risco aumentado do desenvolvimento de miomas uterinos.

Mioma Uterino

Quais são os principais sintomas dos miomas uterinos?

Os miomas uterinos são muito frequentes em mulheres em idade reprodutiva. De acordo com a SOGESP, eles se manifestam em 75% delas e metade dos casos são assintomáticos, sendo diagnosticados por meio da realização de exames periódicos de rotina.

Contudo, quando apresentam sintomas, os principais são:

  • Alterações no padrão menstrual: aumento do fluxo ou da duração da menstruação;
  • Sangramentos com padrão hemorrágico;
  • Dor pélvica: é a segunda queixa mais comum. Geralmente a dor é localizada em baixo ventre e irradia para a região lombar e membros inferiores;
  • Dificuldade para urinar;
  • Dor durante as relações sexuais;
  • Distúrbios intestinais: constipação, afunilamento das fezes ou surgimento de hemorróidas.

Portanto, sempre que sentir desconfortos na região pélvica ou notar alterações em seu fluxo menstrual, a mulher deve buscar a orientação de um especialista em ginecologia, que solicitará os exames e indicará a conduta ideal para cada caso.

Agendar

Miomas Uterinos





Deixe um comentário