Select language



como é feita a vasectomia

Assim como a laqueadura tubária, a vasectomia é um método contraceptivo definitivo realizado por urologistas, no qual os ductos deferentes, por meio de procedimento cirúrgico, são interrompidos, impedindo assim, a liberação dos espermatozoides no sêmen durante a ejaculação.

Também chamada de deferentectomia, a vasectomia consiste em um método contraceptivo definitivo muito comum e eficiente que interrompe a circulação dos espermatozoides pelo aparelho reprodutor masculino.

Devido ao procedimento ser bastante eficaz, com baixos índices de complicações, não afetar a produção dos hormônios masculinos e, consequentemente, não interferir no desempenho sexual do homem, é muito recomendado por médicos urologistas.

Como é realizada a cirurgia?

Os espermatozoides são produzidos nos testículos, conduzidos pelos epidídimos até os ductos deferentes, que desembocam na uretra.

A vasectomia promove a interrupção desses ductos, impedindo o transporte e a liberação dos espermatozoides até a uretra.

Durante a cirurgia é realizada uma pequena incisão, de cerca de 1 cm, em cada lado da bolsa testicular do paciente. Por meio desse corte, com o auxílio de pinças apropriadas, os ductos deferentes são localizados e, então, é realizada a sua interrupção, seguida por cauterização ou suturas, a fim de evitar a recanalização dos ductos.

Em seguida é fechada a incisão por meio de suturas e concluída a vasectomia.

O procedimento é rápido, com duração média de 30 minutos. Não exige jejum e a anestesia utilizada é a local, permitindo, assim, que o paciente seja liberado em algumas horas, não havendo a necessidade de internação, na maioria dos casos.

vasectomia

Quando a vasectomia é indicada?

A contracepção definitiva masculina é indicada por médicos obstetras e urologistas somente para casos em que o homem já possui um relacionamento conjugal estável, com prole constituída.

Assim como ocorre nos casos em que há o interesse em realizar a laqueadura tubária, a vasectomia torna-se uma opção de anticoncepção viável se cumprir a lei 9.263, publicada no Diário Oficial da União em agosto de 1997 sobre a regulamentação do planejamento familiar, que exige que:

  • O homem tenha, no mínimo, 25 anos de idade, ou
  • Possua, ao menos, dois filhos vivos.

No entanto, a faixa etária que mais opta pela contracepção por meio da vasectomia compreende-se entre os 35 aos 45 anos de idade, sendo que, na maioria das vezes, o homem já possui prole constituída.

Quais são os cuidados pós-operatórios?

Devido à utilização de anestesia, mesmo que local, o procedimento exige que haja um acompanhante que ficará responsável pelo retorno do paciente a casa.

Após a cirurgia, é possível que o paciente sinta maior sensibilidade na região testicular ou, até mesmo, um leve desconforto por cerca de 3 a 4 dias. A área ao redor do corte pode apresentar-se inchada e escurecida durante esse período.

Especialistas recomendam que sejam utilizadas bolsas de gelo no local para aliviar os incômodos durante as 24 horas seguintes à operação.

A higienização do local deve ser restrita à utilização de água e sabonete neutro, apenas. Os pontos da cirurgia devem cair sozinhos assim que a incisão estiver devidamente cicatrizada, processo que leva aproximadamente 14 dias.

Os especialistas recomendam ainda:

  • Afastamento do trabalho por cerca de 7 dias;
  • Uso do suspensor escrotal na recuperação (um tipo de cueca apertada que ajuda na sustentação e, consequentemente, cicatrização do local);
  • Aguardar aproximadamente 15 dias antes de retomar as atividades físicas e sexuais;
  • Utilização de preservativos até a confirmação do sucesso da cirurgia – coleta de novo espermograma 90 dias após a realização da vasectomia, constatando que não existe mais nenhum espermatozoide no ejaculado.

Todos esses cuidados orientados por médicos ginecologistas e urologistas evitam que haja uma gravidez indesejada, recanalização dos ductos deferentes e formação de coágulos ou nódulos no local.

Agendar




Deixe um comentário