Select language



Adenomiose

A adenomiose é conhecida como uma condição “prima” da endometriose devido à forma como ela se manifesta. Identificar a doença precocemente é essencial para um tratamento com maiores chances de sucesso.

Assim, conheça a seguir o que é a adenomiose, quais são as suas causas e quais são os principais sintomas dessa doença que afeta cerca de 15% das mulheres no Brasil.

O que é a adenomiose?

A parede interna do útero é revestida pelo endométrio. Quando a paciente é diagnosticada com endometriose, significa que o tecido endometrial está localizado e implantado fora da cavidade uterina, como por exemplo, ovários, trompas, bexiga e órgãos adjacentes. Já quando o tecido endometrial se manifesta no miométrio, é diagnosticada a adenomiose.

O miométrio consiste em uma camada muscular do próprio útero que é responsável pela contração uterina quando a paciente entra em trabalho de parto, por exemplo.

Assim, como se trata de uma implantação anormal do tecido endometrial fora da cavidade uterina, a endometriose e a adenomiose costumam ser condições bastante confundidas.

Quando o tecido endometrial atinge a camada muscular do útero, podem ocorrer dois tipos da condição:

  • Adenomiose difusa: quando o tecido endometrial se manifesta por toda a extensão interna da parede muscular uterina;
  • Adenomiose focal ou localizada: casos nos quais o endométrio forma nódulos no miométrio, sendo chamado de adenomiomas.

Além dessas duas classificações, a adenomiose também pode se manifestar sob diferentes intensidades, podendo ser chamada de superficial, intermediária ou profunda, de acordo com quantas camadas do útero são afetadas e o tamanho dos fragmentos.

Quais são as causas e os sintomas dessa doença?

As causas da adenomiose ainda não foram identificadas pela Medicina, entretanto, há indícios de que se trata de uma doença genética, formada antes do nascimento. Entretanto, existem ainda algumas situações que podem influenciar o surgimento dessa alteração, tais como:

  • Pacientes com mais de 40 anos de idade;
  • Pacientes que realizaram mais de uma cesariana;
  • Pacientes com ciclos menstruais muito curtos;
  • Pacientes que apresentaram a menarca (primeira menstruação) precocemente.

É importante que a paciente saiba identificar os possíveis sintomas da adenomiose. Destaca-se que cerca de 1/3 dos casos são assintomáticos, dificultando o diagnóstico, no entanto, em 2/3 dos casos, os principais sintomas são:

  • Inchaço na região abdominal;
  • Cólicas intensas durante a menstruação;
  • Dores durante as relações sexuais;
  • Aumento da duração e do fluxo menstrual;
  • Constipação intestinal;
  • Dores para evacuar.

Caso identifique um ou mais sintomas, a paciente deve buscar auxílio do ginecologista para diagnosticar a condição e dar início ao tratamento. Entre os exames que podem ser solicitados para identificar a doença estão a ressonância nuclear magnética da pelve e a ultrassonografia transvaginal.

Como tratar a adenomiose?

Depois de confirmada a suspeita da adenomiose, o tratamento deve ser iniciado de forma precoce. Existem diferentes condutas que podem ser indicadas pelo ginecologista responsável, de acordo com a intensidade dos sintomas, tipo de adenomiose e desejo da mulher em relação à maternidade.

Dependendo do caso, o tratamento pode incluir desde a prescrição de medicamentos para alívio da dor e inflamação até a realização de cirurgia. Uma conduta bastante recorrente é a introdução de tratamento hormonal a base de progesterona para promover um bloqueio completo do fluxo menstrual, diminuindo a propagação do tecido endometrial para o miométrio. Um grande exemplo de tratamento hormonal é a introdução do DIU hormonal no interior da cavidade uterina. Esse dispositivo tende a liberar hormônio progesterona durante um período de cinco anos, promovendo uma atrofia na camada de revestimento interna do útero (atrofia endometrial).

Em casos mais graves, entretanto, a conduta adequada pode incluir a realização de histerectomia com a retirada total do útero. Essa indicação é realizada apenas para casos severos de adenomiose e quando a mulher expressa que não deseja engravidar novamente.

Após entender o que é adenomiose e quais são as suas causas, sintomas e tratamentos, converse com seu ginecologista. Quanto mais precoce for instituído o tratamento, melhores são as chances de sucesso.





Deixe um comentário